Barracão Morretes

Ficha técnica


  • Localização: Curitiba – PR, Brasil
  • Área: 80 m²
  • Ano do Projeto: 2020
  • Nível do projeto: Executivo
  • Equipe de Projeto:
    Gabriela Baggio  
    Rafael Hansen

    Renata Leite
  • Orientação:

Professor Cervantes Ayres Filho

Memorial


Morretes, cidade turística do Estado do Paraná, é conhecida principalmente pelo barreado, prato típico da região, e por sua arquitetura colonial. O projeto do barracão, situado em uma chácara no município, vem também com o objetivo de fomentar o turismo estimulado pela arquitetura, já que o propósito futuro para a chácara é torná-la um espaço de lazer aberto ao público.

O programa de um barracão que serviria para garagem, área de churrasqueira, trabalho e armazenamento, surge, então, com a premissa de uma arquitetura inovadora, fora dos padrões convencionais de barracões rurais.

Em primeiro momento havia a necessidade do aproveitamento da fundação preexistente no terreno. Uma análise crítica e reflexiva permitiu que solucionássemos essa declividade entre as duas superfícies concretadas por meio de um meio nível dentro do edifício. Este nível aumentou a área útil interna e ainda serve como cobertura para a área de churrasqueira.

Por fim, tem-se um barracão com área de estacionamento para dois carros; um banheiro; área de trabalho com bancadas, inclusive o meio nível na altura delas, servindo como uma. Além disso, conta com um mezanino para usos ocasionais, como passar a noite; área de churrasqueira e espaço para armazenamento em sua lateral externa. 

A fachada frontal e posterior conta com uma composição de janelas retangulares que garantem movimento e dinâmica ao volume e uma boa iluminação natural para o ambiente interno. 

A inovação se dá principalmente por uma estrutura em pórticos compostos por treliças espaciais. A estrutura confere ainda uma volumetria diferente, em que as paredes laterais são inclinadas para fora. Por esse motivo, as paredes contaram com um sistema estrutural independente funcionando como um invólucro dos pórticos. 

A madeira clara da estrutura contrasta com o tom escuro da madeira das paredes e o resultado é um edifício que carrega a expressividade desse material: personalidade, qualidade sensorial e integração com o entorno, notável por sua Mata Atlântica.