Blog

Tipos de tijolos: os 5 mais utilizados na Arquitetura e como escolher

Por Marcela Rodbard e Ricardo Almeida Grillo

Revisão pela professora MSc. Maria Regina Leoni Schmid Sarro

09 de dezembro de 2021


Índice

 

  1. Introdução

O tijolo é um elemento essencial na construção civil e na arquitetura, presente de diferentes formas em um projeto  arquitetônico. Foi usado desde as primeiras civilizações da humanidade na construção de abrigos e monumentos a partir da mistura de materiais naturais. 

Mas, você sabia que existem diversos tipos de tijolos com várias funções diferentes? Fatores como resistência, durabilidade, estética e até o clima local podem influenciar na escolha do tipo ideal de tijolo. 

Nesse post vamos falar sobre os 5 principais tipos de tijolos, suas características principais e como fazer a escolha certa na hora de construir.

2. Tijolo de Cerâmica

O tijolo de cerâmica é um dos materiais mais conhecidos e utilizados no Brasil. Composto basicamente por argila, seu preparo envolve a modelação desse material em uma forma com as dimensões desejáveis. Após modelado, o tijolo é queimado para endurecer e lixado para retirar as imperfeições, processo que segue as diretrizes da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas).

(Reprodução/Freepik)

Algumas características do tijolo de cerâmica, como o baixo peso específico, a facilidade de manuseio proveniente da sua forma, a alta resistência e um bom desempenho térmico, o tornaram um material presente tanto no sistema estrutural quanto no de vedação da obra. 

Ao assumir funções estruturais, o seu uso é mais comum em edificações baixas. Na função de vedação, exerce um excelente papel na divisão de ambientes e permite que paredes não estruturais existentes sejam derrubadas, sem comprometer a estrutura da edificação.

(Foto de João Jesus no Pexels)

Tijolos cerâmicos também podem ser usados aparentes na decoração de fachadas e no interior de edificações, solução conhecida como “tijolos à vista“, o que confere um aspecto rústico à construção. Nesse caso, os tijolos podem eventualmente receber um revestimento protetivo transparente, de verniz ou resina.

A instalação dos tijolos de cerâmica é fácil, porém envolve o uso de mão de obra familiarizada com argamassa e levantamento de estrutura, recomendando-se, assim, a contratação de profissionais especializados.

(Foto de Charles Parker no Pexels)

3. Tijolo de Concreto

Um dos materiais de maior destaque na construção civil do século 21 é o tijolo de concreto. Utilizado em larga escala no Brasil, existe um conjunto completo de normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) que regulamentam e descrevem a qualidade dos materiais e o sistema construtivo de alvenaria estrutural com blocos de concreto. É um tijolo bastante usado em obras arquitetônicas de grande porte.

(Reprodução/Pexels)

Fabricado a partir da mistura de cimento, areia, agregado, aditivo e água, ele possui características que tornam seu uso favorável nos projetos e facilitam sua manipulação. Sua alta resistência a esforços solicitantes na construção, possibilita que ele seja capaz de suportar cargas variadas da obra e da edificação, dispensando a necessidade de vigas e pilares e reduzindo a utilização de formas e armaduras. Devido às suas dimensões grandes e precisas, permite agilidade no levantamento de paredes e, portanto, no tempo de obra. 

Blocos de concreto podem ser somente de vedação, ou também estruturais. Uma de suas grandes vantagens é a possibilidade de uso como elemento decorativo, uma vez que eles não precisam de revestimento e comportam elementos de instalações elétricas e hidráulicas dentro dos seus vazios, escondendo-os.

(Reprodução/Freepik)

4. Tijolo de Adobe

O tijolo de adobe é um material vernacular, sendo o mais antigo usado pelo homem, estando presente desde o Antigo Egito e Mesopotâmia até em cidades históricas brasileiras como Ouro Preto (Minas Gerais) e Pirenópolis (Goiás). 

Feito essencialmente de terra, palha e água, podendo conter também fibras naturais para maior resistência da mistura, o tijolo de adobe pode ser moldado artesanalmente ou de forma semi-industrial a partir do uso de fôrmas. 

(Foto de Taryn Elliot no Pexels)

Devido à modernização das técnicas construtivas e do aumento do uso do cimento, o uso de tijolos de adobe foi sendo abandonado no último século. Felizmente, a popularidade do adobe está crescendo novamente e é possível de ser encontrado em algumas lojas de materiais de construção. 

Dentre as inúmeras vantagens do tijolo de adobe, destacam-se durabilidade, isolamento térmico e acústico e sustentabilidade. Seu uso é mais indicado para regiões secas, uma vez que o adobe é sensível à água. Contudo, ele pode ser usado livremente, a partir de técnicas de impermeabilização ou revestimento adequadas.

5. Tijolo Ecológico

Como o próprio nome diz, o tijolo ecológico é uma ótima opção para aqueles que procuram uma alternativa sustentável. Parecido com o adobe, também leva terra e água na composição. A diferença é que, ao invés de palha e fibras naturais, o tijolo ecológico tem uma pequena porcentagem (10%) de cimento

Mas, se leva cimento, como pode ser ecológico? A sustentabilidade diz respeito ao processo de fabricação do tijolo, no qual não há queima de CO2 e, portanto, não polui a atmosfera.  

As vantagens do tijolo ecológico não se limitam apenas à sustentabilidade. Assim como o de adobe, proporciona ótimo isolamento termoacústico e dá um acabamento rústico especial. 

Além disso, por ser fabricado com furos, esse tijolo permite que instalações hidráulicas e elétricas sejam feitas por dentro de paredes, evitando sua quebra em casos de manutenção. Com a substituição de tijolos normais de concreto pelos ecológicos, a construção torna-se mais rápida, livre de lixo e econômica.

Pode ser encontrado em lojas de materiais de construção pelo nome “tijolo modular”, que diz respeito aos furos nele presentes.

6. Tijolo de Vidro

Formado pela fusão de duas seções de vidro, com o centro oco, em um único bloco, o tijolo de vidro é uma solução arquitetônica para aumentar a entrada de luz natural mantendo a privacidade e a vedação do ambiente. 

Composto de areia, sílica, barrilha, sulfato de sódio, calcário, dolomita e cacos do produto, o vidro se forma pelo resfriamento da mistura desses materiais em uma forma que determinará suas dimensões, características e formato.

A ideia para a constituição dos tijolos de vidro surgiu há muito tempo, na época das navegações, quando os navios colocavam no topo do convés prismas de vidro que refratam e dispersam a luz natural por todo o ambiente interno, sem o risco de ocasionar um incêndio ou comprometer as barras de madeira, como era o caso das velas e das lâmpadas de querosene.

(Foto de Cottonbro no Pexels)

Normalmente com espessura entre 5 e 8 centímetros, os blocos de vidro são unidos por argamassa e podem constituir paredes, divisórias, muros, janelas, fachadas e varandas, sem função estrutural.

O uso de tijolos de vidro em projetos de arquitetura e construção civil vem aumentando pela sua gama de vantagens estéticas e funcionais. Enquanto persianas e cortinas cobrem a luz natural, para maior privacidade, os blocos de vidro permitem essas duas funções em uma solução esteticamente agradável, pelo seu alto índice de translucidez, que permite a iluminação mas não a visualização. Outra vantagem desse material é o conforto gerado pela camada de ar em seu interior, que garante maior resistência à transmissão e trocas de calor, gerando um maior conforto térmico ao ambiente.

7. Qual tipo de Tijolo escolher?

A partir do conhecimento das características específicas de cada tijolo, fica mais fácil determinar qual é o mais apropriado para o uso que você está buscando. É interessante, também, ter em mente as suas prioridades durante a obra. 

Em termos comparativos de preço, os tijolos de adobe e cerâmicos podem ser uma ótima alternativa. Porém, é importante levar em conta o custo adicional de mão de obra, uma vez que o tijolo de adobe necessita de um cuidado especial por ser bastante delicado.  

Caso sua preferência seja o uso de materiais naturais e sustentáveis, os tijolos de adobe e ecológicos são os ideais, e são, também, os que mais promovem conforto térmico e acústico. Em regiões quentes, ajudam bastante no refrescamento do ambiente interno, sendo possível economizar no uso de ar condicionado, por exemplo. 

Economia também pode ser alcançada no uso de tijolos de vidro, em lugares que estejam buscando maior entrada de luz natural, mantendo a privacidade, para, assim, economizar os gastos de energia elétrica que seriam gerados pela iluminação artificial. 

Com isso, é possível fazer uma comparação entre os tipos de tijolos existentes no mercado, e, avaliá-los em questões importantes de uma construção para que seja feita a escolha certa.

8. Em conclusão…

Como podemos ver, existem diversos tipos de tijolos disponíveis no mercado, cada qual com suas características próprias e cuidados especiais. É importante lembrar da importância de consultar um profissional da área, seja um arquiteto ou engenheiro civil, na hora de decidir qual tijolo usar. É fundamental a elaboração de um projeto para que o resultado final esteja de acordo com todas as normas técnicas e expectativas do cliente. 

Consulte nossa equipe da Modular Jr aqui.